Skip to main content

Pratique Francês com Música – Les eaux de Mars

Pratique Francês com Música – Les eaux de Mars

 

( Tom Jobim /  versão em francês Georges Moustaki )

Essa canção foi escrito pelo compositor brasileiro Tom Jobim no ano de 1972, e depois ficou mundialmente conhecida na interpretação do duelo de Tom Jobim e lis Regina no ano de 1974. A Bossa Nova encanto muitas nações e os franceses também se renderam ao som, originário do Brasil.

Esta versão de Georges Moustaki comme les français disent: “C’est chouette!”

On va chanter?

Les eaux de Mars

Un pas, une pierre, un chemin qui chemine
Un reste de racine, c’est un peu solitaire
C’est un éclat de verre, c’est la vie, le soleil
C’est la mort, le sommeil, c’est un piège entr’ouvert

Un arbre millénaire, un noeud dans le bois
C’est un chien qui aboie, c’est un oiseau dans l’air
C’est un tronc qui pourrit, c’est la neige qui fond
Le mystère profond, la promesse de vie

C’est le souffle du vent au sommet des collines
C’est une vieille ruine, le vide, le néant
C’est la pluie qui jacasse, c’est l’averse qui verse
Des torrents d’allégresse, ce sont les eaux de Mars

C’est le pied qui avance, à pas sûr, à pas lent
C’est la main qui se tend, c’est la pierre qu’on lance
C’est un trou dans la terre, un chemin qui chemine
Un reste de racine, c’est un peu solitaire

C’est un oiseau dans l’air, un oiseau qui se pose
Le jardin qu’on arrose, une source d’eau claire
Une écharde, un clou, c’est la fièvre qui monte
C’est un compte à bon compte, c’est un peu rien du tout

Un poisson, un geste, comme du vif argent
C’est tout ce qu’on attend, c’est tout ce qui nous reste
C’est du bois, c’est un jour le bout du quai
Un alcool trafiqué, le chemin le plus court

C’est le cri d’un hibou, un corps ensommeillé
La voiture rouillée, c’est la boue, c’est la boue

Un pas, un pont, un crapaud qui coasse
C’est un chaland qui passe, c’est un bel horizon
C’est la saison des pluies, c’est la fonte des glaces
Ce sont les eaux de mars, la promesse de vie

Une pierre, un bâton, c’est Joseph et c’est Jacques
Un serpent qui attaque, une entaille au talon
Un pas, une pierre, un chemin qui chemine
Un reste de racine, c’est un peu solitaire

C’est l’hiver qui s’efface, la fin d’une saison
C’est la neige qui fond, ce sont les eaux de mars
La promesse de vie, le mystère profond
Ce sont les eaux de mars dans ton coeur tout au fond

É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
Un pas, une pierre, un chemin qui chemine
Un reste de racine, c’est un peu solitaire

 

Tradução/ da versão de Georges Moustaki

As Águas de Março

Um passo, uma pedra, um caminho que caminha

A raiz remanescente, que é um pouco solitário
É um caco de vidro, é a vida, o sol
É a morte, sono, que é uma armadilha semi-aberto
Uma árvore milenar, um nó na madeira
É um cachorro latindo, é um pássaro no ar
É um tronco apodrece, é o derretimento da neve
O mistério profundo, a promessa de vida
É o sopro do vento nos topos das colinas
É uma velha ruína, o vazio, o nada
É o pássaro que faz barulho é a chuva que derrama.

Torrente de alegria, são as  águas de Março
Este é o pé que avança com certeza com passo lento
Esta é a mão que se estende, é a pedra que a gente lança
É um buraco no chão, um caminho que caminha
A raiz remanescente, que é um pouco solitário
É um pássaro no ar, um pássaro que surge
O jardim que regamos, uma fonte de água clara

Uma farpa, um prego, é a febre que sobe
Esta é uma conta barata, é um pouco de nada
Um peixe, um gesto é como mercúrio
Isso é o que se espera, isso é tudo que nos resta
É madeira, é um um fim de dia no cais
Um álcool adulterado, o caminho mais curto
É o grito de uma coruja, um corpo sonolento
O carro enferrujado, é lama, é lama
Um passo, uma ponte, um sapo que coaxa
É uma barcaça que passa é um belo horizonte
É a estação das chuvas, é o derretimento do gelo
Estas são as águas de Março, a promessa da vida
A pedra, um pedaço de pau, é Joseph e é Jacques
Um ataque de cobra, um corte no pé
Um passo, uma pedra, um caminho que caminha
A raiz remanescente, que é um pouco solitário
É inverno que se desvanece, o fim de uma estação
É o derretimento da neve, são as águas de Março
A promessa de vida, o mistério profundo
Estas são as águas de Março no fundo do seu coração
Um pau,  uma “pedra … é O Fim do Caminho.
hum restaurante em Toco E Um pouco Sozinho …”
não, uma pedra, um caminho que caminha
A raiz remanescente, é um pouco solitário …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *